Belarus Sem fins lucrativos ajuda os protestantes com as concessões Bitcoin

Na Bielorússia, os dissidentes estão usando o Bitcoin Future para contornar a repressão política.

Em 8 de agosto, no dia de uma eleição presidencial altamente controvertida, uma funcionária da prefeitura de Pinsk chamada Maria Koltsyna foi a uma seção eleitoral com uma faixa branca de cabelo no pulso.

Foi um pequeno gesto de protesto: Os bielorrussos que votaram contra o presidente em exercício Alexander Lukashenko usaram branco. Os colegas de trabalho de Maria Koltsyna imediatamente tomaram conhecimento de seu acessório branco, e logo após ela ter sido demitida.

As pessoas em Belarus têm protestado contra a reeleição do Presidente Alexander Lukashenko por um mês, alegando que ele não era o legítimo vencedor. Também houve greves de fábrica, e alguns policiais deixaram publicamente seus empregos em vez de interromper violentamente comícios pacíficos.

O regime respondeu aos protestos com prisões em massa, fechamentos da internet e até ameaças de conseguir ajuda da Rússia, seu maior vizinho ao Leste.

Em Belarus, o Estado mantém um controle de ferro sobre a economia, e ser demitido por razões políticas significa que você pode não encontrar outro emprego, pelo menos não em sua cidade. Mas Maria ouviu falar de um novo fundo sem fins lucrativos, BYSOL, que estava ajudando as pessoas que foram demitidas por suas atividades de protesto. Ela pediu ajuda e a conseguiu – em bitcoin.

Maria nunca havia tocado em criptograma antes, mas a equipe por trás do fundo a ensinou como instalar uma carteira de criptograma móvel.

Ela „descobriu isso em 10 minutos“, disse ela à CoinDesk. Com a bolsa, ela comprou um novo laptop para conseguir um novo emprego em TI. O restante do dinheiro foi suficiente para pagar vários meses de aluguel e comida, para que Maria pudesse sobreviver até conseguir um novo emprego, disse ela.

Maria foi uma das várias dezenas de pessoas que descobriram o bitcoin em Belarus graças à BYSOL, um fundo sem fins lucrativos iniciado em agosto por um grupo de empreendedores de tecnologia e ativistas cívicos. A BYSOL arrecadou mais de US$ 2 milhões em doações durante o mês passado.

Canais controláveis

A BYSOL escolheu o bitcoin como forma de transferir fundos, já que outras formas estão sob o controle total do governo, informou a publicação em língua russa Forklog. O nome do fundo é uma abreviação: BY (Belarus country code) + SOLidarity.

Yaroslav Likhachevskiy é um dos fundadores da BYSOL e o CEO da Deepdee, uma start-up bielorrusso-holandesa que desenvolve soluções AI para o cuidado da saúde. Ele disse à CoinDesk que o bitcoin é o único método de pagamento que não pode ser controlado pelas autoridades. O regime está monitorando estritamente as transferências bancárias e pode congelar os fundos relacionados às atividades de protesto.

As autoridades bielorrussas estão prestando atenção especial a qualquer transferência de dinheiro por pessoas e entidades relacionadas à BYSOL, disse Likhachevskiy. Ele compartilhou com a CoinDesk uma ordem emitida pelo Ministério do Interior da Bielorrússia, que disse aos bancos do país para divulgar informações sobre todas as transações relacionadas ao Likhachevskiy e outras pessoas que ajudassem a BYSOL.

Likhachevskiy disse que já foi um cético criptográfico, mas agora acredita que o bitcoin pode realmente ser útil.

Não pode bloqueá-lo

A BYSOL diz que está levantando a maior parte de seus fundos através de doações através do Facebook, com algum dinheiro vindo também via PayPal, transferências para uma conta bancária Revolut e carteiras de bitcoin e etéreo. Foram arrecadados mais de US$ 2 milhões, que incluem as contribuições dos fundadores, assim como doações de apoiadores individuais e empresas, disse Likhachevskiy.

O fundo está registrado na Europa por razões de segurança.

„Se o fizéssemos em Belarus, os fundos seriam confiscados“, disse Likhachevskiy.

Mas enviar dinheiro através das fronteiras também não é fácil.

„Neste momento, todas as pessoas que cruzam a fronteira da Bielorússia estão sendo minuciosamente revistadas para verificar se estão trazendo dinheiro para o país“. A KGB [serviços de segurança da Bielorrússia] está monitorando todas as transações do exterior“, disse Likhachevskiy.

Uma moeda criptográfica descentralizada como a bitcoin não pode ser parada na fronteira, portanto a BYSOL está enviando US$ 1.500 de BTC para pessoas que foram demitidas por causa de suas atividades de protesto ou que optaram por deixar seus empregos em protesto.

Primeiro, as pessoas enviam solicitações à BYSOL explicando como perderam seus empregos. Elas precisam anexar documentos para confirmar isto, tais como avisos de rescisão de contrato que são emitidos em Belarus quando as pessoas são demitidas.

Quando um caso é verificado pelos voluntários da BYSOL, eles enviam instruções sobre como instalar e usar uma carteira móvel que pode receber BTC. A BYSOL fez uma parceria com a Carteira do Fideicomissário Ucraniano, que permite aos usuários conectar a carteira a um cartão bancário. Em seguida, os solicitantes compartilham seus endereços de bitcoin, recebem bitcoin e a trocam por fiat diretamente no aplicativo, recebendo dinheiro em seus cartões de débito.

Normalmente, as gateways de fiat podem ser monitoradas pelas autoridades, mas Viktor Manin, diretor de desenvolvimento de negócios da Carteira do Fiduciário, disse à CoinDesk que quando as pessoas vendem seu criptograma no aplicativo, eles o fazem de forma peer-to-peer, de modo que não há uma conta bancária centralizada em Belarus que possa ser bloqueada pelas autoridades.

Além disso, quando há várias pessoas enviando dinheiro entre contas, é mais difícil para as autoridades descobrir a finalidade das transferências.

O custo do protesto

Na semana passada, a polícia invadiu o escritório da empresária de tecnologia Mikata Mikado, uma das co-fundadoras da BYSOL. Quatro funcionários da empresa, chamada PandaDoc, foram presos por desvio de fundos.

Mikado havia publicado anteriormente um vídeo sobre a Instagram oferecendo ajuda aos policiais que rejeitaram ordens para espancar e prender pessoas inocentes e demitir-se de seus empregos.

„Agora é difícil passar para o lado do bem“. Mas se a razão são as dificuldades financeiras, eu posso ajudá-lo“, disse Mikado no vídeo.

De acordo com Likhachevskiy, Mikado investiu parte de seu próprio dinheiro na BYSOL. Likhachevskiy argumenta que as acusações de desvio de fundos são ridículas. Ele apontou que o PandaDoc, com sede nos EUA, acaba de fechar mais uma rodada de financiamento e „passou por todos os círculos da due diligence“. Mikado não respondeu ao pedido de comentário da CoinDesk pelo tempo de imprensa.

O caminho para a adoção

Em geral, Belarus não tem um mercado criptográfico muito ativo, disse Anton Kozlovsky, chefe da Paxful na Rússia e nos países da Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

Com o desenrolar da crise política, as pessoas começaram a comprar mais dólares americanos para se protegerem da desvalorização da moeda nacional, do rublo bielorrusso, e os bancos chegaram a relatar um déficit de dólares na semana passada. Mas isto ainda não provocou nenhum crescimento significativo nos volumes criptográficos, disse Kozlov.

Embora o país tenha legalizado oficialmente as transações criptográficas em 2018, poucas pessoas usam criptografia e as empresas normalmente não a aceitam como meio de pagamento, disse Eugene Romanenko, um especialista bielorrusso em cadeia de bloqueio.

Entretanto, mais pessoas, especialmente profissionais de TI que não estavam interessados em criptografia antes, estão começando a perguntar e aprender sobre isso, disse Romanenko, especialmente quando buscam maneiras de enviar dinheiro entre si ou levar seus fundos quando saem do país.

„Cada vez mais pessoas estão aprendendo que as moedas criptográficas podem ser usadas para resolver problemas da vida real“, disse Romanenko.

Se nada mais, o criptograma pode ser convertido em fiat para pagar as necessidades diárias. De acordo com Likhachevskiy, mais de 50 pessoas já receberam ajuda da BYSOL nas últimas duas semanas. Ele acrescentou que, embora $1.500 possa parecer não ser uma tonelada de dinheiro, em Minsk, a capital bielorrussa, pode-se alugar um quarto por cerca de $200 por mês.

Fora da capital, US$ 1.500 pode ser uma quantia de dinheiro que muda a vida – como foi para Maria.

É uma experiência educacional também: Maria disse que agora que ela aprendeu a lidar com o criptograma, ela poderá usá-lo no futuro. Recentemente, ela e seus amigos usaram criptográficos para enviar dinheiro um ao outro, e isso não parecia mais uma coisa estranha de se fazer. Ela acrescentou: